sexta-feira, julho 04, 2008

Hoje ao abrir a caixa de correio electrónico deparei-me com um mensagem que parecia ir ao encontro dos últimos acontecimentos que dizia exactamente assim:
"Aprende a seguir os sinais. Se eu estou aqui o tempo todo, se me vês e sabes que nunca te abandono, se sabes que até o desafiar do vento tem a minha mão mágica, se já te entregaste a mim, entregaste a tua vida, se tens consciência de que está tudo entregue, é claro que cada acontecimento, cada surpresa, cada imponderável tem a mão mágica do céu.

É mais provável que seja eu a operar quando não estás à espera, quando ninguém conta, e acontece um acto cirurgicamente desprogramado e irreal - em vez de todos os planos e todas as combinações prévias.

Aprende a confiar no acaso. O acaso sou eu. O acaso tem a minha lógica, jamais terá a tua. Lê nos acasos a lógica do céu, e aprende a seguir, como a borboleta, a força inefável do vento. A natureza é sábia. Os animais só vão para onde têm de ir. As aves voam milhares de quilómetros, porque sabem as armadilhas do tempo, porque lêem nas entrelinhas do tempo. As baleias percorrem o mundo, através de linhas energéticas e invisíveis desenhadas pela minha mão. Todo o mundo animal se move sob os meus desígnios."
Alexandra Solnado

Ao ler este excerto apercebi-me do quão aplicáveis são estas palavras aos últimos acontecimentos da minha vida. De facto, sinto na minha vida esta força inacreditável que fez-me ir para onde eu tinha que ir mesmo quando esse lugar era muito longe daqui.
Face a este acontecimento tão maravilhoso que o destino quis que eu vivenciasse só posso dizer que aproveitei cada minuto e mesmo cada segundo do pouco tempo que me estava reservado para viver no auge da intensidade.
Algures em terras africanas, numa cultura que me era estranha, aquilo que seriam umas meras férias converteram-se numa página da minha história que jamais esquecerei...
Mais do que nunca senti que estava no lugar certo, há hora certa e rodeada das pessoas certas!
Resta-me seguir e encerrar em mim cada segundo de um epiósdio que pareceu, de todo, irreal...

1 comentário:

Lizete Rodrigues disse...

olá prima!
abri o msn e lá vi o teu "apenas uma fase"...
já o tinha visto há algum tempo atrás e resolvi aceitar o que suponho ser um convite teu para todos qtos te encontram no msn.

adorei a citação que transcreveste, mas gostei ainda mais do comentario porque me fez lembrar a minha própria experiencia à um tempo atrás, também em terras onde o português não impera, mas onde as circunstancias e a sensação de "tudo estava destinado" parece ser tão real...
não sei se falamos da mesma coisa, mas pareceu-me que sim.

guarda cada momento e cada grão de areia (já que andaste na terra dela) e aprende com a tua experiencia. Não olhes para trás com tristeza, mas sorri com a certeza que estiveste no momento certo, no local verto e na hora certa a viver o que estava certo :)

nada como sair de casa e de longe dos nossos para nos fazer relembrar quem realmente somos e o que realmente queremos, não é?
a nossa essencia acaba por ser mais pura e não há nada para, de certo modo, nos conter. Nada que tenhamos que adequar.

beijinhos prima e ainda bem que gostaste da Tunísia :) e do que ela te fez sentir :)
**************************